OS QUATRO CICLOS DO COSMOGRAMA BAKONGO

Este texto sobre os ciclos do Cosmograma Bakongo nasce da essência da visão de mundo do povo bantú, bakongo. 
Essas informações vieram a partir de estudos compartilhados pela Rede Africanidades, rede nascida em Salvador da Bahia. 

Coordenada pelo Professor Eduardo Oliveira (UFBA), a rede trás a participação de estudantes, artistas, mestres da capoeira, da cultura popular e pensadores da filosofia africana e afrodescendente nascida de movimentos diaspóricos.
Na década de 90 o mestre de capoeira Cobra Mansa trouxe para o Brasil um grande pensador congolês chamado Fu Ki.Au. 
Bunseki Fu Ki.Au veio trazendo através de sua palavra e sua presença as bases filosóficas de seu povo, pensamentos que por muitos séculos foram extraviados ou escondidos por causa da colonização da África e das Américas e dos movimentos do tráfico negreiro. Fu Ki.Au veio nos ensinar filosofia da raíz de um dos principais povos que participaram da formação do povo brasileiro, devido aos fluxos das viagens transatlânticas.
Segundo Fu Ki.Au, “Kongo” refere-se a um grupo cultural, linguístico e histórico de pessoas que "descendem do grande grupo Bantu que migrou do sul da região do Rio Benue (atualmente Nigéria) para a floresta equatorial do centro-oeste africano e proximidades. Remontando ao segundo milênio A.C., lentamente aconteceram ondas migratórias de comunidades Bantu em direção ao sul, processo que fez com que a maioria dos africanos que vivem na região ao sul do equador viessem a falar uma ou mais das 400 línguas relacionadas ao Bantu. Poucos séculos depois, na Idade do Ferro, assentamentos de Bantus foram estabelecidos através da região. O passado, as origens e história em comum, além de mais de meio milênio de relações de trocas, fizeram surgir uma afinidade entre as tradições culturais, sistemas de crenças e conceitos acerca do tempo entre o Kongo e os outros grupos Bantus."


áfrica bantu
O povo Bantu era altamente tecnológico e possuía refinada concepção do mundo, baseada no entendimento de uma mandala da vida chamada de Cosmograma. Nesta mandala, que acompanha o movimento do sol, está a representação de sua cosmovisão de mundo regida pelos ciclos do tempo.
Segundo Fu Ki.Au, "O tempo para o povo Kongo é uma “coisa” cíclica. Não tem um começo nem um fim. Graças aos “Dunga” (acontecimentos), o conceito de tempo é entendido e pode ser compreendido. Esses “dunga”, sejam naturais ou artificiais, biológicos ou ideológicos, materiais ou imateriais, constituem o que é conhecido como “n`ka-ma mia ntangu” em Kikongo, que significa “represas do tempo”. São essas represas do tempo que tornam possíveis tanto o conceito quanto a divisão do tempo entre os Bantu-Kongo. Assim, o tempo é, ao mesmo tempo, concreto e abstrato. No nível abstrato, o tempo não tem começo nem fim. Ele existe por si só e flui através dele mesmo, com seus próprios acordos. No entanto, em nível concreto, são os “dunga”(acontecimentos) que fazem com que o tempo seja perceptível, provendo o fluir interminável do tempo, com específicas “represas”, acontecimentos ou períodos de tempo".
Então vem os quatro ciclos cósmicos do Cosmograma Bakongo. Cada corpo (mundo, planeta) no universo possui seu próprio tempo cósmico, seu próprio processo de formação. 
"Entretanto, as antigas escolas de iniciação Bantu-Kongo pensavam que todos os processos cósmicos do tempo englobam quatro grandes passos, para os quais tudo na vida é subjetivo, inclusive os sistemas. A Cosmologia Bantu ensina que para completar seus processos de formação ou dingo-dingo, um planeta precisa atravessar esses quatro estágios ou “represas do tempo” (n´kama mia ntangu) chamados de Tempo Musoni, Tempo Kala, Tempo Tukula e Tempo Luvemba." (FU KI.AU, Ntandu, )
MÛSONI
O primeiro ciclo se chama Mûsoni, que é o começo de todos os tempos. A mitologia tradicional Kongo refere-se a tal período como Tandu Kia Kuku Lwalamba Kalunga (literalmente, “o período do cozimento da Kalunga”), a era fervente da matéria magmática (Fu-Kiau 1969, pp. 17-27). Esse é o período durante o qual o vazio(luyalungunu) encheu-se de matéria em fusão. Esse foi o início do kele-kele dia dingo-dingo dia ntangu ye moyo, “a faísca dos contínuos processos do tempo e da vida” em todo o universo; é a colisão das colisões (o Big Bang). 
KALA
Kala é o segundo estágio da formação dos planetas e de suas transformações (Figura 2.1). Depois que se completou o ciclo do resfriamento da Terra veio o estágio do tempo Kala (Tandu Kia Kala). Durante essa era a Terra presenciou grandes transformações. A vida em sua forma mais primitiva – seres microscópicos (zie), algas – começou a existir (Kala) nesse período. O solo era úmido e a água podia ser encontrada em todas as partes. O negro é a cor simbólica dessa era, a segunda grande “represa” do Tempo (n´kama wanzole wangudi wa ntangu). 
TUKULA
O tempo Tukula é o terceiro estágio da formação dos processos dos planetas (mundos) e de suas transformações que seguem a era Kala. Nesse período do tempo Cósmico, nosso planeta amadureceu (Kula). A vida que existia durante a antiga era Kala amadureceu e prosperou. Os animais também surgem em um ponto da era Tukula.
LUVEMBA
Esse é o quarto estágio e último período ou era pela qual um planeta passa para completar seu processo de formação e transformação, e ele segue o tempo Tukula. De acordo com a escola de ensino superior Bantu-Kongo, durante essa era, Maghûngu existiu no planeta. 
Maghûngu  era um ser andrógeno, completo por si só. Esse ser mitológico era “dois em um”, macho e fêmea. Através de contínuas buscas por rituais, Maghûngu foi cortado em dois seres separados: Lumbu e Muzita (fêmea e macho). Nesse momento, o planeta Terra tornou-se vivo por inteiro, completo por si só. Lumbu  Muzita, para manter a unidade de quando eram Maghûngu, decidiram permanecer juntos durante a vida (casados). Tornaram-se mulher e marido (n´kento ye bakala)(Fu-Kiau 1969, pp.17-27). Com esse novo começo de vida, o ciclo cósmico do Tempo completou-se (Figura 2.1) e um novo estágio de tempo iniciou-se – o tempo vital.

FONTES:
FU KI.AU, Bunseki. Ntandu, Tandu, Kolo - O conceito bantu Kongo do Tempo
http://terreirodegriots.blogspot.com.br/2016/12/ntangu-tandu-kolo-o-conceito-bantukongo.html
http://www.south-africa-tours-and-travel.com/bantu.html

Comentários